Fui demitido: 8 dicas para organizar as dívidas após perder o emprego

2 de setembro de 2022

Invista em algo diferente

Vem pra Fido »

Precisando de empréstimo?

Vem pra Fido »

Com um pouco de disciplina e cabeça fria, você vai ver que é possível passar por essa fase de forma mais leve.

Perder o emprego não é uma situação confortável. Quando isso acontece, passam pela cabeça muitos pensamentos: como vou pagar minhas contas? Quando irei conseguir voltar para o mercado de trabalho? E agora, parto para o empreendedorismo ou busco uma nova colocação? Uso minha rescisão para quitar dívidas ou para investir

Para tentar ajudar a passar por esse momento desconfortável, elencamos algumas dicas que podem ser valiosas. Continue a leitura e veja o que preparamos. Neste artigo você vai ver:

  • Como a crise econômica coloca os empregos em risco;
  • Como estão os números do desemprego no Brasil;
  • Quais são os seus principais gastos;
  • Lembrar que é essencial ter foco nas prioridades;
  • É necessário fazer cortes de despesas e cuidar do dinheiro recebido na rescisão;
  • Importância de ter uma reserva de emergência;
  • Saber que pode contar com a Fido para equilibrar a sua vida financeira.

Crise econômica coloca empregos em risco

O cenário econômico brasileiro não é dos mais estáveis, muito pelo contrário. Além das oscilações do Real frente ao Dólar, alta da inflação, aumento nas taxas de juros e nos preços dos combustíveis, commodities e produtos de primeira necessidade, têm as interferências políticas que também influenciam diretamente a economia. Isso tudo impacta negativamente no mercado e deixa os trabalhadores apreensivos em relação aos seus empregos.

O desemprego no Brasil em números

perder o emprego w

Os dados do desemprego divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no fim de julho, apontam que 9,3% dos brasileiros estão nesta situação. Um dos agravantes é o índice de inflação que em junho chegou a 11,89%. Assim, com tantos fatores influenciando negativamente a economia, fica difícil para os trabalhadores com carteira assinada dormirem tranquilamente sem pensar que podem perder o emprego. 

Mas caso este seja o seu caso, nós queremos te tranquilizar de que com cabeça fria e planejamento é possível passar por essa situação da maneira menos traumática possível. Veja as 8 dicas que podem ajudar se você perder o emprego:

1- Saiba quais são os seus gastos

Em primeiro lugar, se você perder o emprego, é mais do que necessário ter um mapeamento das suas dívidas. Preparamos um modelo que pode te ajudar: 

  • Moradia (aluguel e/ou condomínio, contas de água, luz, gás, IPTU);
  • Transporte (aplicativos de carros, estacionamento, gasolina, IPVA);
  • Alimentação (restaurantes, supermercado);
  • Saúde (convênio, consultas, medicamentos);
  • Educação (mensalidades, cursos, material escolar, livros);
  • Casa (produtos de limpeza, gastos com manutenção ou faxina);
  • Serviços (TV a cabo, internet, plano de telefone);
  • Dívidas (financiamentos em geral, parcelas atrasadas);
  • Lazer (passeios, compras, viagens, gastos com tratamentos de beleza).

Com os gastos devidamente separados, fica mais fácil saber o que é primordial e o que terá que ser cortado e ficar para depois.

2 - Foco nas prioridades

Ficou desempregado e precisa organizar as finanças? Elimine primeiro aquelas dívidas caras, que não podem ficar para depois. Empréstimos bancários, financiamento de casa, carro ou de dívidas de cartões de créditos, por exemplo, costumam ter juros altos. Sendo assim, não deixe-as de lado! Isso é essencial para manter a saúde financeira em ordem. Saiba que alguns contratos possuem seguros em caso de perda de emprego, converse com os credores e veja de que forma é possível negociar. Ou seja, o importante é não deixar as parcelas em atraso para evitar cobranças de juros. 

3 - Cuidado com o dinheiro recebido das verbas rescisórias

Se você perdeu o emprego repentinamente e não tem nada em vista, lembre-se que terá de se virar por algum tempo com o que receber de rescisão. Por isso, não se empolgue com a quantidade recebida. Enquanto você não tiver outro emprego, essa será sua fonte para pagamento de contas, por isso, fique atento.

4 - Não use cartão de crédito

No período de desemprego é complicado fazer dívidas sem ter certeza de quando irá voltar ao trabalho e a ter um salário. Por isso, evite o uso de cartão de crédito, afinal fica difícil jogar contas para frente sem ter ideia de quando irá voltar a ter a situação novamente sob controle.

5 - Não faça novas dívidas

Enquanto a situação não estiver resolvida, fuja das novas dívidas. Afinal, você não tem ideia de quanto tempo vai ficar nessa situação e por isso é bom não facilitar.

6 - Corte os supérfluos

Uma das sugestões para quem precisa poupar é cortar aquilo que é demais. Se antes você podia se dar ao luxo de fazer compras, ir ao salão de beleza ou comer em restaurantes, agora é hora de rever as prioridades e fazer cortes.

7 - Reduza o essencial

Mesmo as despesas fixas podem ser recalculadas. Economize na luz, gás, água, listas de supermercado, pacote de internet, por exemplo. Com um pouco de disciplina e sacrifício será possível reorganizar as contas de maneira inteligente.

8 Faça uma reserva de emergência (antes da demissão)

E por fim, essa dica é para quando você estiver novamente estável. Para não passar apuros novamente, o ideal é criar uma reserva de emergência destinada para aquilo que o próprio nome diz. Mas o quanto eu devo guardar? Uma dica é somar tudo o que você gasta no mês com despesas essenciais (moradia, alimentação, financiamentos, transporte) e multiplicar por seis. Sendo assim, esse é o valor estimado para se ter em um fundo de reserva. Ou seja, para chegar nele, poupe mensalmente uma quantia dos seus ganhos. Além disso, escolha uma opção de investimento para fazê-la render

Conte com a Fido para equilibrar a sua vida financeira

Se você precisa de soluções para colocar as suas contas em ordem, a melhor dica é contar com a Fido. Temos os melhores serviços para lhe dar um suspiro e colocar a sua vida financeira novamente em ordem.

Dia das Crianças: precisamos falar sobre educação financeira para os pequenos

Seu filho começa a entender a importância do dinheiro depois dos sete anos, mas a educação pode começar antes. Os pequenos absorvem conhecimento com muita facilidade, isso vale também para ensinar educação financeira para crianças. Por isso, especialistas do mundo inteiro falam que essa é a melhor idade para começar a aprender sobre o assunto, […]

Educação financeira: 7 dicas para viajar com pouco dinheiro

Sair da rotina é um dos benefícios de fazer uma viagem, mas saiba que com planejamento é possível tirar sonhos do papel. Conhecer novos lugares faz bem para a alma e há formas de viajar com pouco dinheiro. Isso porque, o Brasil é grande e o mundo, maior ainda. Por isso, com planejamento, haverá sempre […]

Assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de nossa Política de Privacidade e autoriza a Fido a utilizar suas informações de contato para envio de conteúdos.
A Fido existe pra você!
Geralmente, um banco só oferece um bom empréstimo para quem já tem dinheiro, não é mesmo? E quem precisa de uma ajuda nessas horas, encontra dificuldade, taxas escondidas e juros insustentáveis.
Já quem quer investir suas economias, escolhe entre aplicar em renda fixa, com rendimentos baixos, ou enfrenta a alta volatilidade da bolsa.
A Fido nasceu com o propósito de fazer o dinheiro fluir entre as pessoas. Acreditamos que a relação com o dinheiro deve ser equilibrada, com juros justos para quem precisa e rentável para quem investe.
Seja a transformação! Faça parte da comunidade Fido!
Conecte-se com a gente
contato@fido.com.vc
Entre em contato pelo site
Mantenha-se informado
Cadastre-se para receber nossos conteúdos e atualizações por e-mail
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram